sabor da cidade

RECEITAS
bolos
doces
salgados
caldos
sopas
peixes
salgadinhos
lanches
churrasco
molhos
saladas
vegetarianas
sorvete
bebidas
minha receita

 
 
NOTÍCIAS


 
  

    HOME>>EDITORIAS>> NOTÍCIAS
Carnaval carioca
Sambódromo da Sapucaí faz 40 anos. Viradouro é campeã no aniversário
Sambódromo da Sapucaí faz 40 anos. Viradouro é campeã no aniversário
Sapucaí virou um dos símbolos do Carnaval brasileiro e palco de lindos desfiles (foto - Divulgação/Fernando Maia/Riotur)


11/02/2024   Beija-Flor e Mangueira são os principais vencedores na Sapucaí, junto com a carnavalesca Rosa Magalhães. Comidas e bebidas sempre foram tema dos enredos. Em 2024, nos 40 anos do sambódromo, a Unidos do Viradouro conquistou o título de campeã, com o enredo "Arroboboi Dangbé", sobre um culto africano às serpentes. Este foi o terceiro título da escola (os outros dois foram em 1997 e 2020) e o segundo com o carnavalesco Tarcísio Zanon. No desfile da escola, uma serpente, com movimentos no chão iguais ao de uma cobra, foi à frente da escola. 

Xinxim e acarajé, feijoada, café, cerveja, feijão e arroz, milho, peixe e outros alimentos e bebidas desfilaram pelo Sambódromo do Rio de Janeiro desde a sua inauguração, levados por felizes, ágeis e hábeis sambistas das escolas de samba e com carros alegóricos extremamente lindos e luxuosos, além das fantasias dos próprios componentes das escolas. Tudo para contar a história na avenida, o enredo alimentado pelo samba-enredo cantado por todos os componentes. O sambódromo da Sapucaí fez 40 anos neste Carnaval de 2024 com lindos e inesquecíveis desfiles. 
Até os desfiles de 2023, a Beija-Flor era a principal vitoriosa dos Carnaval na Marquês de Sapucaí, com nove títulos, seguido da tradicional Estação Primeira de Mangueira, com oito. Aliás, a Mangueira foi a primeira campeã do sambódromo, quando da inauguração, no Carnaval de 1984, ano que teve duas campeãs e uma supercampeã. A Portela venceu no primeiro dia de desfile e a Mangueira no segundo. E disputaram o título de supercampeã, vencido pela Mangueira. O enredo da escola verde e rosa daquele ano foi "Yes, nós temos Braguinha" e o carnavalesco foi Max Lopes. O intérprete do samba-enredo foi Jamelão. Ele teve 14 títulos de campeão do carnaval carioca, todos com a Mangueira e foi a voz da escola nos desfiles desde 1952 até 2006 (ele faleceu em 2008).
"Tem xinxim e acarajé/ Tamborim e samba no pé" era o refrão do samba-enredo que deu mais um título para a Mangueira, em 1986 (ganhou também em 87 e a escola foi a primeira bicampeã da Sapucaí), com o enredo "Caymmi mostra ao mundo o que a Bahia e a Mangueira têm", cantado com a inconfundível voz de Jamelão. Outro destaque entre os intérpretes, Quinho morreu dia 3 de janeiro de 2024 aos 66 anos e tem históricos sambas-enredo na Sapucaí. "Peguei um ita no norte", que deu o título ao Salgueiro em 1993, é sem dúvida o mais conhecido. "Explode coração na maior felicidade/ É lindo o meu Salgueiro/ Contagiando, sacudindo esta cidade" é um dos refrãos mais cantados até hoje. Também Quinho foi o intérprete, antes em 1989 do samba-enredo de Festa Profana, da União da Ilha, a estreia da escola na Sapucaí. Ninguém esquece os versos "vou tomar um porre de felicidade/ vou sacudir, eu vou zoar toda cidade". Em 1991, o enredo da União da Ilha era "De bar em bar - Didi um poeta" e o refrão do samba-enredo: "Hoje eu vou tomar um porre. Não me socorre que eu tô feliz. Nessa eu vou de bar em bar. Beber a vida que eu sempre quis". Em 1992, o café estava presente no enredo do Salgueiro: "O negro que virou ouro nas terras do Salgueiro".
No desfile de 2001, a Imperatriz Leopoldinense foi campeã cantando a cana, a pinga, a cachaça. O enredo foi: "Cana-caiana, cana roxa, cana fita, cana preta, amarela, pernambuco... quero vê desce o suco na pancada do ganzá". Já em 2013, a Vila Isabel também foi campeã com enredo falando de alimentação e fome: "A Vila canta o Brasil, celeiro do mundo - "Água no feijão que chegou mais um".
O enredo "Liberdade, realidade ou ilusão" da Mangueira, em 1988, é um dos destaques. O samba-enredo começava assim: "Será que já raiou a liberdade/ Ou se foi tudo ilusão/ Será, oh, será/ Que a Lei Áurea tão sonhada/ Há tanto tempo assinada/ Não foi o fim da escravidão" e tinha como refrão: "O negro samba/ O negro joga a capoeira/ Ele é o rei na verde e rosa da Mangueira".
A Estácio de Sá, em 1987, desfilou com um sambão que marcou a Sapucaí no enredo "Tititi do sapoti", que tinha o refrão: "Que tititi é esse/ Que vem da Sapucaí/ Tá que tá danado/ Tá cheirando a sapoti". O enredo da Mangueira em 1994 homenageou os Doces Bárbaros com o enredo "Atrás da Verde e Rosa Só não Vai quem já Morreu", e o samba-enredo tinha o refrão: "Me leva que eu vou, sonho meu/ Atrás da verde-e-rosa só não vai quem já morreu". A Vila Isabel apresentou em 1988 o antológico enredo "Kizomba, a Festa de uma Raça". Já a Mocidade Independente de Padre Miguel levantou o público, em 1985, com "Ziriguidum 2001", enquanto a Imperatriz Leopoldinense chacoalhou a Sapucaí, em 1989, com o enredo "Liberdade, Liberdade, Abra as Asas Sobre Nós".
Joaosinho Trinta, um ícone entre os carnavalescos brasileiros falecido em 2011, foi responsável por um momento memorável na Sapucaí. Em 1989, o enredo da Beija-Flor tinha no abre-alas a imagem do Cristo Redentor como mendigo, mas uma ação na Justiça da Igreja Católica impediu que a imagem fosse mostrada dentro do enredo "Ratos e urubus, larguem minha fantasia". Então, o abre-alas foi coberto por sacos de lixo plásticos pretos e entrou na avenida com a frase: "Mesmo proibido, olhai por nós". A escola ficou em segundo lugar, perdendo para a Imperatriz Leopoldinense. Joãosinho Trinta só teve um título na Sapucaí, em 1997 com a Viradouro, mas sua carreira vencedora, iniciada no Salgueiro deu a ele os títulos de 1974 e 1975 e com a Beija-Flor em 1976, 1977, 1978, 1980 e 1983.
Em 2015, o Salgueiro levou à avenida o enredo "Do Fundo do Quintal, saberes e sabores na Sapucaí…". Como definiu a própria escola, foi "uma viagem através dos sabores que Minas Gerais oferece e resguarda nos saberes que cada prato típico preserva através do tempo".

Sapucaí em 1984

A avenida Marquês de Sapucaí se tornou o sambódromo do Rio de Janeiro e o mais famoso do Brasil e do mundo a partir de 1983, no governo de Leonel Brizola. A obra foi realizada em 120 dias com a instalação de arquibancadas. Ficou pronta para o Carnaval de 1984 e recebeu os primeiros desfiles no dia 2 de março. O grupo principal das escolas de samba, então chamado de Grupo 1-A desfilou no domingo, dia 4 e na segunda-feira, dia 5, a partir das 19h. A Portela foi a campeã dos desfiles de domingo e a Mangueira do realizado na segunda-feira. As duas disputaram o Supercampeonato, dia 10 de março, na mesma Sapucaí, então chamada de "Avenida dos Desfiles" com as escolas também classificadas. Deste desfile participaram as escolas: Acadêmicos de Santa Cruz, Unidos do Cabuçu, Flor da Mina do Andaraí, Canarinhos das Laranjeiras, Caprichosos de Pilares, Beija-Flor de Nilópolis, Império Serrano, Mocidade Independente de Padre Miguel, Portela e Estação Primeira de Mangueira. 
Foi em 1987 que o sambódromo recebeu o nome de Passarela Professor Darcy Ribeiro, homenagem em vida ao professor, historiador e antropólogo, que faleceu em 1997. Ele, ao lado do então governador Leonel Brizola e o arquiteto Oscar Niemeyer foram os idealizadores do sambódromo. O projeto tem o desenho de Niemeyer, incluindo a praça da Apoteose, com traços em curvas para representar os movimentos dos passistas. 

Títulos na Sapucaí

A Beija-Flor de Nilópolis foi a maior vencedora dos desfiles na Sapucaí. Ganhou nove títulos, seguida da Mangueira com oito, Imperatriz com sete, Mocidade Independente de Padre Miguel, com cinco, Unidos da Tijuca e Vila Isabel, com três cada, Acadêmicos do Salgueiro e Viradouro, com dois e Estácio de Sá e Grande Rio, com um título cada.
A Beija Flor ganhou em 1998, 2003, 2004, 2005, 2007, 2008, 2011, 2015 e 2018
A Mangueira foi campeã em 1984, 1986, 1987, 1998, 2002, 2016 e 2019
A Imperatriz ganhou em 1989, 1994, 1995, 1999, 2000, 2001 e 2023
Mocidade Independente de Padre Miguel foi campeã em 1985, 1990, 1991, 1996 e 2017
Unidos da Tijuca sagrou-se campeã em 2010, 2012 e 2014
Vila Isabel foi campeã em 1988, 2006 e 2013
Viradouro sagrou-se campeã em 1997, 2020 e 2024
Acadêmicos do Salgueiro ganhou em 1993 e 2009
Portela foi campeã em 1984 e 2017
Estácio de Sá foi campeã em 1992
Acadêmicos do Grande Rio conquistou o título em 2022

Carnavalescos vencedores

A carnavalesca Rosa Magalhães foi a maior vencedora nos desfiles da Sapucaí até 2023. Ela obteve seis títulos, cinco com a Imperatriz Leopoldinense (94, 95, 99, 2000 e 2001) e um com a Vila Isabel (2013). Renato Lage e Alexandre Louzada tiveram quatro cada, Paulo Barros foi campeão três vezes, o mesmo de Leandro Vieira, enquanto Julio Mattos e Tarcísio Zanon tiveram dois. Laíla (Luiz Fernando Ribeiro do Carmo) teve oito título, mas integrando as chamadas comissões de Carnaval, especificamente na Beija-Flor. Outro campeão em comissões de Carnaval foi Cid Carvalho, com cinco títulos. (Val Rocha, da Redação)
 
 
 Veja Receitas Similares:


 


MAIS ACESSADAS
Bela, sinuosa e perigosa, rodovia Tapiraí-Juquiá tem 353 curvas em 60 km
Lata do Leite Moça muda 16 vezes desde 1921
Entrevero no arado fica delicioso
Sodiê dá desconto no bolo do mês
Piracanjuba lança creme de leite e leite condensado zero lactose
Cuidado com as calorias do prato feito
Veja como fazer lanche de mortadela do Mercadão, um dos símbolos de SP
Veja como preparar a saborosa costela de chão do Lukinha
Delicioso arroz de braga surgiu em Santos. Veja como fazer
Que tal uma coxinha com o osso da coxa do frango?
18 de maio é o Dia Nacional da Coxinha. Veja receita desta delícia
Rede de churrasco texano abre unidade em São Paulo
Kibon lança a linha Seleções Gelato em quatro sabores

SABOR DA CIDADE

Contato
Telefone (15) 9-9113-2823
Email: redacao@sabordacidade.com.br

  


icone
REDES SOCIAIS
FACEBOOK